Resenha| O livro dos espelhos

16:42 3 Comments A+ a-

Editora Record | Classificação: 5/5 | Ofertas
Quando o agente literário Peter Katz recebe por e-mail um manuscrito parcial intitulado "O livro dos espelhos", ele fica intrigado. O autor, Richard Flynn, descreve seus dias em Princeton e documenta sua relação com Joseph Wieder, um renomado psicólogo, pesquisador e professor. Convencido de que o manuscrito completo vai revelar quem assassinou Wieder em sua casa, em 1987 — um crime noticiado em todos os jornais, mas que jamais foi solucionado —, Peter Katz vê aí sua chance de fechar um negócio de um milhão de dólares com uma grande editora.

O único problema é que, quando Peter vai atrás de Richard, ele o encontra à beira da morte num leito de hospital, inconsciente, e ninguém mais sabe onde está o restante do original. Determinado a ir até o fim, Peter contrata um repórter investigativo para desenterrar o caso e reconstituir o crime. Porém, o que ele desenterra é um jogo de espelhos, uma teia de verdades e mentiras, e uma trama mais complexa e elaborada que a do primeiro lugar na lista de mais vendidos dos livros de ficção.

“Todos erraram e enxergaram apenas suas próprias obsessões pelas janelas através das quais tentaram ver, janelas essas que na verdade nada mais eram que espelhos.”

O livro dos espelhos é narrado em três partes com três narradores diferentes, mas com ligações entre eles. A primeira parte tem a apresentação do manuscrito a Peter, na qual ele tem uma pequena participação. Nela também somos apresentados aos personagens principais do mistério. John Keller nos é apresentado na segunda parte do livro e ele toma conta da narrativa. Contratado por Peter Katz, Keller fica responsável por resolver os mistérios. Ele conhece Roy Freeman, ex-policial que foi um dos responsáveis pelo caso do assassinato do professor Wierde. O ex-policial acredita que foi negligente com o caso na época e decide desvendar o mistério antes que uma doença incurável apague todas as suas memórias. Freeman, então, assume a narrativa na terceira e última parte do livro.

Em meio a esse mistério, o leitor consegue ler, através da leitura de Peter, os 3 primeiros capítulos do manuscrito enviado. Ou seja,  é um livro dentro de um livro, e isso acaba nos deixando intrigados com a relação de Joseph, Richard e LauraNo geral, a história é envolvente, a tensão e os mistérios desenvolvidos ao redor das personagens fazem com que o leitor queira desvendar logo o mistério. Apesar das intrigas e teias de mentiras, o final não foi surpreendente, mas não foi decepcionante. Foi um desfecho esclarecedor e convincente. 

O livro dos espelhos é um suspense policial inteligente, que mexe com o raciocínio e nos faz refletir sobre a memória e como interpretamos as nossas lembranças antigas. Definitivamente, é uma obra que vale a pena a leitura! Se você é fã de romance policial, vai gostar. Se não conhece o gênero, então pode ter a certeza de que este livro vai te surpreender.

Foto: Literalize-se

Perfil do blog Porre de Livros. Se gosta de ler, você está no lugar certo. 

Acompanhe-nos em nossas redes sociais: 
Twitter: @_raypereira / Instagram: @PorreDeLivros / Facebook: Porre de Livros

3 Comentários
Comentários

3 comentários

Write comentários
15 de agosto de 2017 10:31 delete

Olá ♥
Não tinha conhecimento sobre esse livro. Preciso de ler livros assim. A narrativa sendo dividida em três partes me lembrou a mesma divisão de "A garota no trem". Creio que esse livro é aquele que enquanto você não consegue as informações e as soluções você não consegue parar de ler, livros assim me fascinam de uma maneira. Li poucos livros desse gênero, mas foram o suficiente para me fazer ficar apaixonada e viciada nesse tipo de livro. Gostei da estória ser um livro dentro de outro livro, diferente até. Parabéns pela sua resenha. Beijos!

Reply
avatar
15 de agosto de 2017 19:44 delete

Já vi alguns comentários positivos sobre esse livro e a premissa me deixa muito interessada, a ideia de um livro em outro livro me deixou muito curiosa, e saber como termina então... Fiquei curiosa sobre o número de narradores também, creio que seja uma peça importante para a formação da história em si, espero poder ler em breve.

Reply
avatar
18 de agosto de 2017 15:01 delete

Interessante sua resenha, fiquei e não fiquei com vontade de ler esse livro.
Ele foge muito da minha zona de conforto de leitura, mas achei meio confuso o autor escolhe dar o papel de narrador para mais de um personagem na história.
Sei lá, eu acho que a leitura deve ficar arrastada.
Mas você destingiu bem o final e isso me deixou curiosa.
Beijos

www.manuscritoliterario.com.br

Reply
avatar