Resenha| Todos, nenhum: simplesmente humano, de Jeff Gavin

08:32 11 Comments A+ a-

| Plataforma21 | Classificação: 5/5 | Ofertas |
Neste livro, conheceremos Riley Cavanaugh, um adolescente como qualquer outro. Um personagem que sofre bullying, que tem problemas com os familiares, que se sente julgado e apontado o tempo todo, 24h por dia, e que é gênero fluído, ou seja, tem dias que se identifica mais com gênero feminino ou masculino, chegando a ter dias a se identificar com um pouco dos dois ou com nenhum dos dois. Porém, o grande problema é que ninguém sabe disso.

Depois de sofrer tanto, Riley e sua família mudam-se. Juntos, eles têm a chance de recomeçar. Agora, Riley terá uma nova escola e a oportunidade de fazer amizades. Porém, as coisas são bem mais complicadas. Logo de início, já ganha rótulos e não deixa de sofrer bullying. A única pessoa que sabe da identidade de gênero é a psicologa, que aconselha Riley a criar um blogue. Através dele, o adolescente conhecerá amigos que conseguem compreender a situação em que vive, mas isso também transformará a sua vida  numa bagunça. Em meio a essa bagunça, Riley terá que ganhar voz e mostrar a todos que ser gênero fluído não a faz uma aberração. E não a tona menos humano. 

Quer ler um livro que te envolve e te faz ser empático, aceitar e respeitar o outro e, acima tudo, entender que gênero não define ninguém? Se sim, esse livro é para você. O Jeff Gavin criou uma história incrível e cheia de realidades. É impossível o leitor não refletir acerca dos problemas e preconceitos sofridos por Riley. Neste livro, perceberemos o quanto a nossa sociedade é suja, preconceituosa e tóxica. E, no fim, perceberemos que o gênero não diz quem você é, mas estamos tão grudados nessas ideias preconceituosas que esquecemos que todos nós somos humanos, independente de qualquer coisa. 

Como não se identificar com os personagens? Quem nunca olhou torto pra alguém e questionou se a pessoa era menino ou menina? Quem nunca sofreu bullying? Quem nunca praticou bullying? Quem nunca tentou exercitar a empatia e, consequentemente, transformou o dia de alguém? Através dessa história, veremos um pouco de nós e nos questionaremos acerca das nossas atitudes. E, de verdade, espero que consigamos refletir sobre isso e se colocar no lugar de Riley. Afinal, quantos Riley existem por aí? 

Além de tratar sobre um tema que tem se falado muito, o livro ainda traz um glossário explicando sobre termos bem específicos, como, por exemplo, gênero fluído, transsexual, heteronormatividade, entre outros. No fim, temos aquela sensação de aprendizado. Afinal, é um assunto que é difícil de ser debatido. Essa é leitura recomendadíssima, principalmente porque precisamos mais do que nunca exercitar nossa empatia e respeitar o outro. Afinal, nem tudo é uma escolha. Em Todos, nenhum: simplesmente humano, somos convidados a conhecer a trajetória de Riley e entender o quê, afinal, significa ser humano.


Foto: @waldirenebandeira

Pernambucano, blogueiro e bailarino nas horas vagas. Para ficar mais próximos dos livros, escolheu ser revisor textual. Instagram/Twitter: @Jadsongomees

11 Comentários
Comentários

11 comentários

Write comentários
F
AUTHOR
27 de julho de 2017 10:06 delete

Ola
Achei super intessante essa identificação por parte dos personagens, gosto muito quando os livros conseguem passar esse tipo de interação. Já conhecia esse título, mas a sua resenha é a primeira que leio a respeito e gostei muito de poder conferir as suas impressões a respeito. Agora que pude compreender melhor a premissa, tenho certeza de que eu adoraria poder fazer essa leitura também.
Beijos, F

Reply
avatar
Tais Burigo
AUTHOR
28 de julho de 2017 08:18 delete

Oi tudo bem?
Já tinha visto essa capa por aí mas não sabia sobre o que se tratava até ler sua resenha (achei que fosse biografia de algum musico hahahaha) Fiquei muito afim de ler parece ser um livro bem emocionante, envolvente e com uma temática bem importante.

Beijos

Reply
avatar
Lucy
AUTHOR
28 de julho de 2017 16:54 delete

Oi, Jadson!
Nossa, que resenha tocante! Eu nunca imaginaria que esse livro se tratava de alguém do gênero fluido - confesso que nem sabia que esse gênero existia. Conseguiu me cativar, quando eu tiver a oportunidade, eu lerei.
Parabéns pela resenha!
Bjos!
Por essas páginas

Reply
avatar
Nay*
AUTHOR
28 de julho de 2017 19:59 delete

Essa leitura parece ser no mínimo interessante não conhecia esse tipo de gênero,só isso já me atiçou a curiosidade de ler esse livro,e a temática dele também me interessou muito,pois já sofri muito com bullying. Sem falar que a capa é linda,gostei muito!

Reply
avatar
Nicoli
AUTHOR
29 de julho de 2017 01:15 delete

Olá!

Adorei sua resenha, muito, muito boa mesmo, tentadora. Adoro livros com assuntos assim, de gêneros, pois com eles, conhecemos cada vez mais a realidade de diversas pessoas. Fiquei contente em saber que retrata o Gênero Fluído, por ser um tipo de gênero ainda pouco conhecido e muito discriminado.

Irei com certeza procurar esse livro!

Reply
avatar
Ivi Campos
AUTHOR
29 de julho de 2017 09:36 delete

Achei a premissa do livro muito original e fiquei interessada em saber como o personagem principal será desenvolvido ao longo da narrativa. mas confesso que minha curiosidade está no glossário que o livro traz.
MEU AMOR PELOS LIVROS
Beijos

Reply
avatar
30 de julho de 2017 19:10 delete

Nunca li nenhum livro desse tipo. E acho sensacional a forma com muitos autores estão escrevendo sobre o assunto.

Gostei muito da sua resenha e também concordo que todos tem que ler algo sobre pra abrir mais a mente sobre qualquer tipo de assunto.

Parabéns pela resenha.

Beijos

Reply
avatar
30 de julho de 2017 20:01 delete

Estou com esse livro já incluso na minha lista de futuras leituras. Só não sei quando vou conseguir ler rs A temática dele me cativou e só tenho lido coisas bem positivas sobre ele por aí. Adorei sua resenha. Bexitus, Tay!

Reply
avatar
1 de agosto de 2017 01:44 delete

Oi.

Eu sempre me interessei por este livro por causa da capa dele. Acho ela bem interessante. Não conhecia muito sobre o livro, e esta é a primeira resenha que leio dele. Já adicionei à minha lista de leituras. Só preciso comprá-lo agora e tentar ler o quanto antes.

Reply
avatar
1 de agosto de 2017 18:21 delete

Olá, tudo bem?
Esse livro parece ser muito real e acho isso mágico, de verdade . Precisamos de livros que nos transmitam essa empatia pelo próximo, que nos façam pensar sobre essas questões tão importantes para a humanidade e, principalmente, respeitar o próximo.
Eu já sofri muito com preconceitos dos outros e, confesso, já fui preconceituosa, uma coisa que tento mudar dia após dia, mesmo porque nada muda do dia para a noite, não é?
Adorei a sua resenha e estou extremamente convencida a ler esse livro.
Beijos

Reply
avatar
4 de agosto de 2017 15:10 delete

Olá Jadson,

Eu estou querendo muito ler esse livro. Ele até já está na minha lista de desejados da Amazon, e assim que for fazer uma compra ele vai estar no meio. Por mais que o mundo caminhe para a frente, o tempo passe e a sociedade mude. Os preconceitos ficam sempre presentes e enraizados na nossa humanidade. Acho que são livros que tratam esse assunto de modo tão inteligente e que nos fazem estar no lugar do outro, ser o outro, que vai nos ensinar a ter mais empatia e trabalhar para um futuro melhor.

Beijos e obrigada pela resenha
http://floraliteraria.blogspot.com.br/

Reply
avatar