Review| A veil of vines, de Tillie Cole

10:20 0 Comments A+ a-

Romance | Classificação: 5/5 | Ofertas
Créditos: Páginas e e-books
Conto de fadas poderia ser apenas uma história de ninar, mas para Caresa não é bem assim. Afinal, ela é descendente de uma linha de sangue real da Itália, mas isso não é problema para ela, pois desde garotinha ela sonha em casar-se com um príncipe. Zeno Savona é o príncipe que está de casamento marcado com Caresa, a Duquesa de Parma, entretanto não é ele quem arrebata seu coração, mas Achille, um humilde vinicultor que fabrica o melhor vinho das terras de Zeno. Apesar de seu compromisso com Zeno, Caresa se vê incapaz de afastar-se de Achille, mas quanto mais seu casamento se aproxima, mais ela se vê dividida entre o amor e a obrigação para com sua família, e decidir entre as duas coisas pode destruir tudo ao seu redor.

MEU DEUS, meu DEUS, que livro mais "amorzinho"! Comecei a ler A veil of vines sem esperar nada de muito espetacular, apesar de todos falarem SUPER bem da autora, estou num ano de não criar expectativas sobre nada, incluindo livros. Então, vocês devem imaginar minha satisfação ao concluir a leitura dessa obra tão linda. Toda a história é ambientada no Itália, onde o cenário é lúdico e muito propicio à paixão, aos vinhos, as comidas, às paisagens... Porém, o que nos arrebata mesmo é o Achille, meu deus, ~foca no: MEU DEUS!~, que mocinho maravilhoso. Enquanto vou escrevendo essa resenha, vou lembrando dele, me dá uma vontade de voltar a ler só pra ficar babando pelo personagem de novo.

Antes de ficar babando Achille um pouco mais, vamos falar de Caresa. Sem querer ser fura-olho nem nada, mas achei Caresa um pouco fraca quanto a imposição de seus desejos. Tudo bem que ninguém aqui nunca foi da realeza, mas me digam: qual é a mulher de 23 anos que aceita um casamento arranjando imposto pelos pais em pleno século XXI? E ela aceita, abandona toda sua vida em New York pra ir à Itália conhecer seu noivo, futuro marido. Com o decorrer do enredo, ela vai se soltando mais das cordas que a prendem a sua família, mas, mesmo assim, achei que faltou um pouco de atitude na moça. Apesar disso tudo, ela é uma personagem muito boa e não é irritante, o que ajuda muito nesse mar de mocinhas em apuros. Caresa é mais "independente" nesse sentido, ela não é aquela mulher que está em apuros e só pode ser salva por um homem, mas só ela pode se salvar.

Deixando Caresa de lado, vamos falar de coisa boa: vamos falar de Achille. Minha gente, cade esse homem na minha vida? Carinhoso, doce, gentil, sarado, sabe fazer vinho e sabe fazer outras coisas também... perfeito, quero! Achille roubou meu coração nas suas primeiras palavras, ele não é o tipo de mocinho com a qual estamos acostumadas, pois ele é de origem humilde e não tem nada para oferecer à Caresa, a não ser seu amor incondicional. Ele é apaixonado por seu vinho, por sua terra, e tem orgulho de fazer o que faz, apesar disso significar não ser rico. Essa lição de Achille é para dar um tapa na cara de muita gente!. Achei a construção do personagem de uma delicadeza tão grande que nada que eu dissesse aqui iria expressar de fato como ele é.

Apesar de ter inúmeros elogios para o livro tem uma coisa que me incomodou MUITO: o desfecho. Achei que a autora forçou um pouco uma situação que a cada página ficava mais clara que iria acontecer, mas que eu não gostei. Ela presou tanto por defender Achille do jeito que ele era e no final... bem, não vou falar, pois é um spoiler. Mesmo assim, não me abalei tanto, pois já esperava.

Suspiros e suspiros e mais suspiros. É assim que defino a leitura desse livro, além de uma falta de vontade de levantar da cama até que a última página seja lida. Entrou na lista de queridinhos com certeza. Que conto de fadas maravilhoso! Já sabem: recomendadíssimo!

Jornalista, taurina, viciada em livros, filmes, seriado e em conhecer novos lugares. Adora estudar inglês e acha que essa deveria ter sido sua língua mãe.

0 Comentários
Comentários