Resenha| Laranja Mecânica, de Anthony Burguess.

11:23 20 Comments A+ a-

Literatura estrangeira, Ficção | Editora Aleph | 200 páginas | Classificação 5/5 | Ofertas
Se ao ler esse título, você não tiver a estranha sensação de já tê-lo ouvido em algum momento da vida, está na hora de sair da gruta, caro leitor. Laranja Mecânica é um clássico não só da literatura estrangeira como da ficção. E como também não poderia deixar de ser, é quase impossível não associar o livro ao brilhante filme do diretor Stanley Kubrick, que saberemos mais a seguir...

Alex e três amigos ("druguis" como eles chamam) formam uma gangue que sempre inicia sua noites de ultraviolência num bar chamado LactoBar, bebendo um tipo de leite misturado com drogas. A partir daí, saem às ruas para praticar todo e qualquer ato de selvageria que passa em suas cabeças doentes. Esfaquear mendigos, estuprar mulheres, roubar lojas, arrumar encrenca com gangues rivais, depredar o patrimônio público são algumas das atividades corriqueiras. Numa dessas noites, a gangue invade a casa de um casal que sofre, mas sobrevive às atrocidades cometidas pelo grupo e dá publicidade ao fato.

Algum tempo depois, após uma invasão mal sucedida a casa de uma milionária solitária, Alex acaba preso. A partir de então ele começa a sofrer da mesma violência que praticava. Primeiro por parte da própria polícia e segundo pelos companheiros de cela. Contudo, pelo seu bom comportamento, ele acaba ganhando a simpatia do padre e começa a trabalhar internamente na prisão. Através de uma matéria no jornal, Alex descobre que um novo método experimental chamado Ludovico está sendo utilizado para exterminar a má índole e reintegrar presos à sociedade, por isso ele acaba se voluntariando.

Mas nem tudo nessa vida são flores, caros amigos. Depois de um tortuoso tratamento de aversão à qualquer tipo de violência por exaustão, ou o que comumente chamamos de lavagem cerebral, Alex, enfim, volta ao seio da sociedade como uma pessoa totalmente e verdadeiramente transformada. O que ele não fazia ideia era de que nada do que ele lembrava permaneceu igual no mundo real enquanto ele estava encarcerado. E que independente da sua redenção, algumas pessoas nunca esquecem ou perdoam.

Bom, quando comecei a ler o livro fui "avisada" de que teria certa dificuldade em entender algumas palavras usadas por Alex e sua gangue. O autor criou um dialeto chamado Nadsat que mistura gírias utilizadas pela classe operária inglesa e russo, daí vocês já imaginam. Com certeza, quem já assistiu o filme vai conseguir pegar melhor a coisa. Também fui informada que ao final do livro tinha uma glossário com o significado das palavras, porém a intenção do autor foi justamente causar esse sentimento de estranheza no leitor, e dessa forma eu embarquei de gúliver na confusão criada por Burguess. A primeira vista tentamos entender pelo contexto, mas logo aprendemos a identificar as palavras e imergimos no enredo como um quinto drugui.

O livro é narrado pelo protagonista, Alex, como se ele estivesse se dirigindo diretamente ao leitor, e é dividido em três partes: a primeira fala sobre o dia a dia da gangue em si e os tipo de violência praticada por eles. No filme, houve cortes das inúmeras cenas de violência descritas no livro. A segunda, descreve o período em que Alex esteve na prisão e o tratamento ao qual ele foi submetido, e aí é relevante observar até onde devemos e podemos interferir na liberdade individual de cada pessoa em prol da sociedade (isso também é explicitado no filme) e a terceira e última parte mostra a reinserção dele no convívio social, e essa é a parte mais interessante porque deixa claro que a sociedade pode ser mais cruel na aceitação de um delinquente do que a própria pena imposta pelo estado. A discussão chega, sim, a ser filosófica, pois nos faz refletir também até que ponto a omissão dos pais influencia no comportamento dos filhos. Vou mais além: existe algum fator determinante para que um indivíduo "se torne" mau ou violento, ou as pessoas já nascem assim?

Com relação a diagramação e revisão, preciso parabenizar a Editora Aleph. Primeiro que, por conta da grande quantidade de gírias utilizadas na trama, com certeza, foi uma tradução delicada e difícil, e eles fizeram de uma forma que ficasse muito próxima a original. Segundo, que existe uma parte do livro dedicada a explicar essa tradução (muito amor, não é, gente?). A capa é sensacional porque está intimamente ligada com o ponto X da história, faz TODO sentido.

Sem mais rodeios, ó meus irmãos, Laranja Mecânica é um livro/filme que vale a pena cada minuto e centavo investido. Definitivamente Burguess não acredita na mudança da natureza humana. Ou se acredita, imagina que ela, assim como tudo nesta vida, é temporária. Boa leitura!

Sua gúliver nunca mais será a mesma depois dessa dessas, slovos. :)

Pisciana, 2.6, humor de 60, dramática, apaixonada por livros e animais.

Instagram: @deebritoo

20 Comentários
Comentários

20 comentários

Write comentários
F
AUTHOR
18 de outubro de 2016 12:21 delete

Olá Diana
Eu também já li esse livro e adorei poder conferir seus comentários a respeito. Realmente vale muito a pena poder conferir,tanto filme como o livro, já que possuem particularidades próprias. Há mesmo a parte reflexiva e gostei de seu questionamento. Quanto a edição, esta mesmo de parabéns.
Beijos, Fer
www.segredosemlivros.com

Reply
avatar
18 de outubro de 2016 16:45 delete

Já ouvi falar do livro, já ouvi falar do filme, mas nunca me interessei nem por um e nem por outro. Aliás, nem fazia ideia do que s etratava até me deparar com a sua resenha. Acredito que seria ótimo ler esse livro, principalmente por ser um clássico, é bom conhecer esse tipo de enredo, né? Mas a parte de ter dificuldade com o dialeto me desanimou um pouco, confesso. De qualquer maneira, quem sabe um dia?
Um abraço!

https://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

Reply
avatar
18 de outubro de 2016 16:55 delete

Essa edição comemorativa de laranja mecânica é meu sonho de consumo desde quando lançou! O cuidado da editora com esse exemplar é algo fora do comum. Esse livro é um clássico e merecia uma tiragem que fosse a altura da obra que ele é

Reply
avatar
Lilian Farias
AUTHOR
19 de outubro de 2016 02:21 delete

Oiii. Amo esse livro e uso com grande frequência me sala de aula, um conteúdo formidável e dá para explorar muitas questões sociais. Sobre a questão linguística, acho formidável a relação estética causada pelo autor. Sua resenha ficou formidável.

Reply
avatar
19 de outubro de 2016 10:02 delete

Oi!

Eu amo bastante essa história pelo o que ela representa sabe? O livro e o filme são bem pesados - mesmo -, e eu tive muita estranheza ao ler e assistir, me senti muito mal em váriooooooos momentos da trama. É bem isso que você disse, o autor provoca isso no leitor, essa estranheza, essa percepção sobre a vida e a "maldade". Adorei a sua resenha, deu até vontade de reler haha


beijos =)

Reply
avatar
Brenda Motta
AUTHOR
19 de outubro de 2016 11:24 delete

Assisti o filme a muito tempo atrás, confesso que fiquei um pouco chocada mas o filme em si, é muito bom. Já o livro ainda não tinha ouvido falar, achei muito similar ao filme.


Spoiler Mania

Reply
avatar
19 de outubro de 2016 23:01 delete

Faz algum tempo que eu tenho interesse em realizar a leitura desse livro e depois quero ver o filme. Acho o enredo muito interessante e tenho certeza de que a leitura pode ser muito agradável. Gostei de conferir suas impressões sobre a obra e de poder conhecer um pouco mais sobre ela.

Reply
avatar
20 de outubro de 2016 18:33 delete

Olá. Eu já assisti o filme várias vezes porque ele é o queridinho de professores em geral para passar na sala de aula, mas eu acho o filme um pouco forte e não sei se me interessaria de ler o livro, apesar de gostar muito de seus comentários. Beijos

Reply
avatar
21 de outubro de 2016 13:13 delete

Olá!
Eu acho meio impossível alguém não conhecer pelo menos o filme, mas acredita que nunca tive a vontade de assistir? Achei bem curioso esse dialeto que o autor criou para a gangue, apesar de dificultar um pouco a leitura.
Beijos.
http://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

Reply
avatar
Camila Coelho
AUTHOR
22 de outubro de 2016 11:13 delete

Oi, tudo bem?
Nossa Laranjas Mecânica é um clássico que acho que todo mundo ao menos já ouviu falar. Pelo menos qualquer um que viva no planeta terra. Kkk. Eu só assisti o filme que por sinal é muito bom e venho adiando a leitura justamente porque já me disseram que ela é um pouco complexa e no momento estou procurando coisas mais leves para ler. Porém é um livro que quero ler sim!!!
Bj

Reply
avatar
22 de outubro de 2016 13:26 delete

Olá Diana,
Acho que é impossível nunca ter ouvido falar desse livro ou, ao menos, do filme.
Gostei de conhecer sua opinião e um pouco da história, pois meu conhecimento era bem superficial. Achei muito legal essa questão da reintegração na sociedade e de a sociedade não ser mais o que ele pensava ser. Também gostei muito de saber dessa jogada o autor em ter escrito o livro com dialetos, pois acho que nos aproxima bastante do que poderia ter acontecido, realmente.
Dica anotada, com certeza.
Beijos,
Um Oceano de Histórias

Reply
avatar
Brooke S.
AUTHOR
23 de outubro de 2016 11:24 delete

Oi, apesar desse ser um livro bastante famoso e conhecido, ao ler do que se trata já pude notar que não é para mim! Não gosto de livros com violência, mesmo que tenha todo uma história de recomeçar e tudo mais... Então apesar de agradar a muita gente, infelizmente vou passar a dica. Mas está ótima a resenha!
Um beijo
www.brookebells.com

Reply
avatar
23 de outubro de 2016 13:45 delete

Já vi o filme, mas ainda não tive a oportunidade de ler o livro, mas dá para ter uma noção o quanto é difícil ter um entendimento sobre o que o autor passa com tantas gírias que são utilizadas. Gostei da editora ter deixado uma explicação sobre essa linguagem no livro, isso ajuda muito.

Reply
avatar
23 de outubro de 2016 19:17 delete

Felizmente eu estou fora da gruta, mesmo assim ainda não li este livro. O filemeu também não vi para falar a verdade. Apesar de ser um clássico muito elogiado, não tenho tanto interesse nele.
Bjs

Reply
avatar
Carla
AUTHOR
23 de outubro de 2016 20:17 delete

Oie!
Eu só conhecia o titulo, mas não sabia nada dessa história.
Realmente, preciso me aventurar e ler esse livro, pois a história é bem interessante.
Uma ótima dica.
bjks!
Histórias sem Fim

Reply
avatar
24 de outubro de 2016 08:02 delete

Olá!
Eu já tinha ouvido falar dessa história, mas não sabia do que realmente se tratava. A história parece ser bem intensa e mostrar como a vida de um delinquente pode ser difícil. Confesso que muitas das vezes bate aquele receio se a pessoal realmente se reabilitou, mas temos que dar uma chance. As pessoas podem mudar tanto para o bem quanto para o mau.
Adorei a sua resenha.
Beijinhos!

Reply
avatar
25 de outubro de 2016 08:47 delete

Olá, tudo bem?

Este título sempre esteve entre minhas paixões mesmo sem ao menor ter lido/visto.

Falta-me coragem para embarcar nesta aventura.

Suas palavras me deram um enorme incentivo e sempre associarei "Laranja Mecânica" com "vale a pena cada minuto e centavo investido."

Parabéns pela resenha (:

Reply
avatar
25 de outubro de 2016 17:57 delete

Diana, assim como você elogiou meu sotaque no vídeo postado la no Plataforma 9¾, preciso retribuir o elogio e dizer que adorei sua escrita. A primeira impressão que temos é "caramba, um textão.", mas ao ler sentimos uma leveza boa e diz tudo sem entregar nada da história (mesmo sendo uma história já bem clássica). Essa versão livro de Laranja Mecânica merece lugar na estante só pela relevância e essa técnica de "ter mais aqui que no filme" é muito esperta e sempre deixa todo mundo curioso.

Grande abraço.

Leonardo Lagassi,
Plataforma 9¾

Reply
avatar
27 de outubro de 2016 00:51 delete

Você acredita que sempre escuto falar sobre esse livro, mas nunca tive vontade de lê-lo? Pois é, estranho né hahaha. Acho a edição maravilhosa, os comentários são muito bons e além disso é um clássico, porém não é um livro que me atrai. Quem sabe um dia eu não faça a leitura, mesmo que só para saber como é.

Beijos,
entreoculoselivros.blogspot.com.br/

Reply
avatar
6 de novembro de 2016 11:07 delete

Oi, tudo bem?
Acho que sou a única pessoa da Terra que não leu esse livro ainda, e olha que tenho ele aqui em casa! fico feliz em ver que você gostou dele e que continua recomendando. Estou bem ansiosa para conhecer a história dessa obra que é tão bem comentada por todos. Ótima resenha!

Beijos

http://www.oteoremadaleitura.com/

Reply
avatar