Resenha| Cartas de amor aos mortos, de Ava Dellaira

13:10 5 Comments A+ a-

Young Adult | Editora Seguinte | Classificação: 4/5 | Ofertas
Créditos a foto: Coisas de Diane
Em Cartas de amor aos mortos, conheceremos a Laurel, uma garota de 15 anos que sofre com a perda da irmã mais velha, a May. No primeiro dia de aula, a professora pede para que todos os alunos escrevam uma carta para pessoas que já se foram. Aparentemente, é uma tarefa simples, não é? Mas não é tão simples quando você perdeu recentemente alguém e ainda sente a falta dessa pessoa. 

“Quando você perde alguma coisa próxima, é como perder a si mesmo.”

Laurel começou a fazer o que a professora pediu, porém ela não levou isso como uma simples tarefa de escola. Ela começou a escrever cartas para pessoas famosas, fazendo disso uma espécie de diário, onde ela contava a sua vida e falava um pouco da vida determinadas pessoas, como, por exemplo, Kurt Cobain, Amy Winehouse, entre outros. E não somente narrava os fatos, mas nos contava o que ela estava sentindo, pensando, e o quanto determinada coisa interferiu na vida dela: a falta da mãe, o luto enfrentado por ela e os fantasmas do passado que insistiam em continuar atrapalhando o presente. 

Esse livro é um daqueles que chega e faz a diferença. No início, foi estranho conhecer a personagem, a história, o contexto, lendo apenas cartas endereçadas a alguém. Porém, esse, para mim, foi o diferencial do livro. Com essas cartas, a autora conseguia estabelecer uma relação entre as duas histórias - a da pessoa famosa e morta e a de Laurel - e fazer com que o leitor entendesse os dilemas e anseios enfrentados pela personagem. O livro todo é narrado em formato de cartas. E não só conheceremos a Laurel, nas cartas, saberemos um pouco sobre as novas amizades dela, sobre o "namoradinho", chamado Sky, sobre quem era May para Laurel e para as pessoas que a conheciam. 

Com uma escrita simples, mas com uma história densa, Cartas de amor aos mortos fala sobre problemas enfrentados na vida de muita gente e, alguns desses problemas, não são fáceis de lidar. A Laurel, por exemplo, não sabia lidar com eles, e era isso que ela buscava nas cartas: entender, arrumar, organizar tudo o que ela sentia. E até aceitar que ela não pode controlar tudo. 

Eu preciso dizer que a história é boa, a forma como é abordada também é, mas, para mim, o livro tem um ponto fraco: a obsessão de Laurel pela irmã. Isso me incomodou um pouco. Laurel deixou de viver e me eu me sentir angustiado por ela. A irmã morta é um assunto que foi destrinchado o tempo todo no livro. E não foi pouco, mas por longas páginas. Acho que por isso estou classificando o livro em 4 estrelas. 

Apesar disso, é um livro que recomendo muito. É uma história que trata de assuntos importantes, mas com um toque de leveza. Inclusive, esse livro está entre um dos YAs que recomendo, junto com Por lugares incríveis. Leiam. Leiam muito. 

“Todos nós queremos ser alguém, mas temos medo de descobrir que não somos tão bons quanto todo mundo imagina que somos.”

Pernambucano, blogueiro e bailarino nas horas vagas. Para ficar mais próximos dos livros, escolheu ser revisor textual. Instagram/Twitter: @Jadsongomees

5 Comentários
Comentários

5 comentários

Write comentários
Fernanda Yano
AUTHOR
4 de outubro de 2016 10:57 delete

Olá!!

Gostei muito da sua resenha!
Antes eu torcia o nariz para livros em forma de cartas, mas depois de ler um passei a gostar.
Achei interessante esse e já tinha visto outras resenha positivas mas acho que eu também me sentiria um pouco incomodada com essa obsessão pela irmã morta. De qualquer forma não descarto a leitura, gosto de histórias densas tratadas de forma leve.
Parabéns pela resenha.

bjs
Fernanda
http://pacoteliterario.blogspot.com.br/

Reply
avatar
Aline Furtado
AUTHOR
4 de outubro de 2016 17:20 delete

Olá!
Já li diversas resenhas sobre a obra, tanto positivas, quanto negativas, e confesso que tenho muita curiosidade para ler.
Acho interessante o livro ter sido escrito em forma de cartas e acredito que isso faz toda diferença na avaliação geral da leitura.
Acredito que a fixação de Laurel pela irmã também é algo que vai me incomodar. Mas espero que mesmo assim a leitura compense.
Ótima resenha.
Beijos.

Li
literalizandosonhos.blogspot.com.br

Reply
avatar
Anna Caroline
AUTHOR
4 de outubro de 2016 18:21 delete

Oi Jadson, tudo bem?
Eu adicionei esse livro a minha lista de leituras já faz um tempinho, mas ainda não tive a oportunidade de lê-lo. Confesso que essa é a primeira resenha que leio sobre, pois estava evitando pesquisar sobre antes de ler. A premissa do livro é bem interessante, eu gosto de livro que são organizados por cartas, mensagens, etc. gosto desse diferencial, geralmente eles prendem a minha atenção. Uma pena ela ter essa fixação pela irmã, mas cada pessoa reage de uma forma diferente as perdas. Espero que me surpreenda com a leitura, gostei bastante da sua resenha.
Beijos

Reply
avatar
Michele Lopez
AUTHOR
5 de outubro de 2016 10:55 delete

Olá,
Ainda não consegui ler a obra, mas sempre tive muita curiosidade de fazê-lo, principalmente por conta do diferencial do livro que são as cartas endereçadas a alguém.
A premissa é bem interessante e acredito que prenderia bastante minha atenção. Fiquei bem intrigada como a personagem enfrenta a perda da irmã e essa fixação que ela tem.

http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

Reply
avatar
5 de outubro de 2016 16:56 delete

Comprei o livro depois de ver bastante resenhas boas como a sua. Não comecei a ler pois tenho alguns na fila ainda haha
Eu ainda não li um livro nesse estilo, espero que eu goste.
literaturanews.com.br

Reply
avatar