[Resenha] O voo da libélula - Michel Bussi

17:14 1 Comments A+ a-


Na noite de 23 de dezembro de 1980, um avião cai na fronteira entre a França e a Suíça, deixando apenas uma sobrevivente: uma bebê de 3 meses. Porém, havia duas meninas no voo, e cria-se o embate entre duas famílias, uma rica e uma pobre, pelo reconhecimento da paternidade.[...] Dezoito anos depois, destroçado pelo fracasso e no limite entre a loucura e a lucidez, Grand-Duc envia o diário das investigações para a sobrevivente Lylie e decide tirar a própria vida. No momento em que vai puxar o gatilho, o detetive descobre um segredo que muda tudo. Porém, antes que possa revelar a solução do caso, ele é assassinado.

Um acidente. Dois bebês, mas só um sobrevive. Tudo isso numa época em que não existia exame de DNA. Duas famílias em guerra. Um detetive. Após 18 anos, o mistério parece vir à tona e com ele várias consequências, como, por exemplo, o sumiço de Lylie, a morte do detetive Grand-Duc, um diário de 100 páginas escrito por cerca de 18 anos e um mistério a ser solucionado.

Crédule Grand-Duc era o investigador com nome de vilão de contos de fadas contratado pela família Carville para descobrir qual das crianças havia sobrevivido ao acidente do Airbus 5403. No contrato entre ele e a Sra. Carville continha as seguintes informações: 1) ela o pagaria até o dia em que a “neta” chegasse a maior idade; 2) Ele seria obrigado a descobrir tudo; 3) Ela arcaria com todas as despesas. Vocês já devem imaginar a conta bancária dessa mulher, né? O detetive era minucioso e havia doado 18 anos de sua vida para descobrir aquele caso, que para ele parecia nunca chegar ao fim. Dezoito anos se passaram, com o contrato no fim, frustrado por não consegui resolver o caso, ele estava disposto à entregar o diário à Lylie, mas havia um único problema. Faltava o fim. Mas, nos últimos instantes, ele descobre tudo e morre. 

“Registrei neste caderno todos os indícios, todas as pistas, todas as hipóteses. Dezoito anos de investigação. Tudo anotado nestas 100 páginas. Se vocês as tiverem lido com atenção, agora sabem tanto quanto eu. Talvez sejam mais perspicazes. Talvez sigam o caminho que negligenciei. Talvez encontrem a chave, se é que ela existe. Talvez... Por que não? Para mim, está tudo acabado.” 

Ao completar 18 anos, Lylie Vitral recebe um diário, vai encontrar Marc Vitral, seu irmão, entrega o diário a ele e some. Era evidente que Marc amava a irmã, mas Lylie nunca havia demonstrado nada pelo garoto. O que as pessoas sempre questionavam-se era: eles são namorados ou irmãos? Uma incógnita para qualquer um. Marc, preocupado, resolve ir atrás de respostas, a fim de descobrir onde Lylie estava. Os obstáculos não serão tão fáceis, ele estará na presença de pessoas loucas, como, por exemplo, Malvina Carville, e perigosas, como Mathilde Vitral, avó de Lylie.

“Marc não tinha outra ambição na vida que não a de se dedicar a Émilie*, de ser [...] seu biombo protetor. Seu para-raios. Seu guarda-chuva."

(*Émilie é Lylie. Lylie é a junção dos nomes Émilie e Lyse-Rose. Por não saber a verdadeira identidade do bebê, os jornalistas resolveram se referir à garota dessa forma. A família Vitral chamava a neta de Émilie ou Lylie, enquanto a família Carville  a chamava de Lyse-Rose.)

O dilema era: qual foi o bebê que sobreviveu ao acidente que aconteceu no Mont Terrible? Não havia nada que provasse 100%. O resultado deveria vir a partir de fatos. O problema era que alguns eram anulados, como, por exemplo, o tipo sanguíneo, que era o mesmo das duas bebês, outros favoreciam a família Vitral ou a Carville.

Sabe aqueles livros que é impossível parar de ler? Se sim, esse é o livro perfeito para quem gosta de engolir livros e entrar na trama, duvidar dos personagens, criar hipóteses. Se não sabe, essa é a chance de saber qual é a sensação de não conseguir parar de ler um livro e de estar no meio de duas famílias em guerra. O Voo da libélula é cheio de reviravoltas. É isso que faz com que o livro seja tão bom. O melhor é o diário deixado para Lylie. É bom porque temos a sensação de que Crédule Grand-Duc está conversando com a gente. Os personagens são feitos com bastante cuidado, pois conseguimos entendê-los, saber seus medos, suas características. Só senti falta de saber mais sobre Lylie. Ela não foi tão abordada, mesmo sendo uma das personagens que compõe a trama. 

Gostaria de dar uma certa atenção à capa do livro, pois ela é linda. Acho que com a leitura desse livro pude conhecer o autor Michel Bussi e colocá-lo nos meus autores favoritos. E só pra deixar vocês mais curiosos: o final do livro é "NÃO ACREDITO NISSO! OMG!!!".

Pernambucano, blogueiro e bailarino nas horas vagas. Para ficar mais próximos dos livros, escolheu ser revisor textual. Instagram/Twitter: @Jadsongomees

1 Comentários
Comentários

1 comentários:

Write comentários
Luiza
AUTHOR
7 de abril de 2015 18:20 delete

Sim, eu também adorei a capa do livro! Nem li e já estou curiosa aqui com o final RSRSRSRS
Bjs
http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

Reply
avatar