Resenha: Amaldiçoado, do autor Joe Hill

10:00 7 Comments A+ a-

(Leia um trecho do livro CLICANDO AQUI)
SINOPSE: Ignatius Perrish sempre foi um homem bom. Tinha uma família unida e privilegiada, um irmão que era seu grande companheiro, um amigo inseparável e, muito cedo, conheceu Merrin, o amor de sua vida. Até que uma tragédia põe fim a toda essa felicidade: Merrin é estuprada e morta e ele passa a ser o principal suspeito. Embora não haja evidências que o incriminem, também não há nada que prove sua inocência. Todos na cidade acreditam que ele é um monstro. Um ano depois, Ig acorda de uma bebedeira com uma dor de cabeça infernal e chifres crescendo em suas têmporas. Além disso, descobre algo assustador: ao vê-lo, as pessoas não reagem com espanto e horror, como seria de esperar. Em vez disso, entram numa espécie de transe e revelam seus pecados mais inconfessáveis. Um médico, o padre, seus pais e até sua querida avó, ninguém está imune a Ig. E todos estão contra ele. Porém, a mais dolorosa das confissões é a de seu irmão, que sempre soube quem era o assassino de Merrin, mas não podia contar a verdade. Até agora. Sozinho, sem ter aonde ir ou a quem recorrer, Ig vai descobrir que, quando as pessoas que você ama lhe viram as costas e sua vida se torna um inferno, ser o diabo não é tão mau assim.

Ao verem o título do livro, vocês podem pensar que trata-se de um livro de terror, mas não é. Tem romance, tem drama, tem suspense, tem ação. Na verdade, é um misto de tudo isso dito anteriormente. Amaldiçoado, de Joe Hill, faz com que o leitor tenha um misto de sentimentos, ame e odeie os personagens a todo instante. Pelo menos comigo foi assim. 

Ignatius Perrish, ou somente Ig, acorda numa manhã qualquer com ressaca após uma noite cheia de bebida e quando olha seu reflexo no espelho, percebe que há algo está errado. Ele acorda com 2 protuberâncias na sua cabeça, ou seja, dois chifres. Ig havia perdido Merry William, sua namorada, há algum tempo, ela havia sido encontrada com as roupas rasgadas e a carne à mostra. Para alguns seria traumatismo craniano, mas não era só isso. Ela havia sido assassinada e estuprada. A grande maioria das pessoas – ou todos, inclusive os pais, os sogros e os amigos de Ig – acreditava que o grande culpado era ele, pois o chamavam de “pervertido sexual”.

Atualmente, Ig vivia com Glenna Nocholson, uma mulher que poderia ser modelo plus size, pois ela era bonita, mas não tão magra quanto Ig. Após se mijar ao ver seu reflexo com chifres no espelho, Ig vai procurar Glenna. Vendo a sua atual situação e estando com medo, ele começou a criar hipóteses a fim de ter uma solução para o nascimento dos chifres em sua cabeça. A princípio achou que isso estava acontecendo por um momento de blasfêmia que teve na noite anterior ou que os chifres era algo metafórico e, consequentemente, representava um tumor no cérebro. Dessa forma, ele esperava que a sua morte estivesse próxima. Não tinha nenhuma certeza sobre nada a respeito dos chifres, a única certeza era de que quando as pessoas o viam, elas falavam os seus pecados e segredos mais inconfessáveis. E isso começou com Glenna. Após isso, o doutor da clínica, a qual Ig tentou se consultar, a recepcionista, os pais, o irmão, a avó, enfim... Todo mundo falava algo que nunca diria para ninguém.

“As pessoas não param de me contar coisas pavorosas. Ficam dizendo o que queriam fazer, coisas que ninguém jamais admitira. Uma garotinha acabou de me contar que tem vontade de botar fogo na cama da mãe dela [...].”

Ig não só conseguia fazer com que as pessoas falassem seus segredos, mas também ao tocá-las conseguia ver coisas que jamais teriam sido vistas novamente. Ele também conseguia falar outras línguas, sem ao menos tê-las estudado e conseguia reproduzir a voz de determinada pessoa. Claro, pois, segundo o Ignatius, a voz do pecado era universal. Mas havia momentos em que as pessoas pareciam falar consigo mesmas, ou melhor, com os seus demônios particulares e, nesse caso, era Ig.

A pior parte de ter chifres era saber os pecados de seus familiares. Principalmente descobrir o que seus pais e sua avó achavam sobre a morte de Merry. Pior do que eles escondiam, era o que Terry, irmão de Ig, escondia desde a morte de sua cunhada. Um segredo que poderia salvar e destruir a vida de Ig. Salvou por determinado tempo, mas destruiu quando a verdade veio à tona. Terry escondia um segredo em que ele próprio estava envolvido, junto com Lee Tourneau e Merry.

"Não se pode ter sempre o que quer, mas, se há necessidade real, você vai encontrar."

Ig encontrou o que queria: encontrou a pessoa que acabou com a vida de sua futura mulher e, consequentemente, acabou com o futuro dos dois juntos.

Não conseguir distinguir se gostei demais do livro, ou se não gostei tanto, ou se nem gostei. A única coisa que sei é que mexe com você, se, e somente se, entrar de verdade na história. Parei em diversas partes para digeri-lo, pois era uma mistura de sentimentos. Ora odiava Merrin, ora queria matar Ig. Tive essa sensação lendo "Garota Exemplar" (VER RESENHA CLICANDO AQUI). 

Às vezes, achava que a culpa da morte de Merry fosse ela mesma, mas, no final, nem eu acreditei que a odiei tanto. Acho que queria ver tanto ela quanto Ig felizes, nem que fosse separados, como ela pretendia. É importante salientar que ela pretendia isso por amor. Terry, irmão de Ig, era outra montanha-russa de ódio. Não se importava com a família, mas, na verdade, ele estava começando a se importar. Pelo menos criou essa concepção antes de tudo acabar. Os personagens devem ter sido criados com todo o cuidado, pois eles possuíam marcar próprias e reais, tornando, assim, a história mais realista. A única coisa que fiquei meio confuso foi em relação aos chifres, mas mesmo sendo algo importante, não era o foco da história.

Amaldiçoado tem como narrador principal Ig, mas em alguns capítulos o narrador muda. Algumas vezes, era narrado na visão de Lee, outras na visão de Terry, pois tratava-se do pecado sendo dito ao irmão por causa dos chifres. Achei isso muito interessante e genial. Pois alguns personagens contavam um fato, não contando. Pois estavam inconscientes.

Os capítulos foram bem distribuídos. Dessa forma, deixou a leitura mais ágil. Sou contra capítulos longos, porque deixam o livro cansativo.

De uma coisa é certa: quando amamos, fazemos de tudo por alguém. Mesmo não acertando 100%. Merry tentou fazer com que as coisas ficassem legais para os dois, tanto para Ig como para ela. Mesmo tendo que transparecer outro sentimento perante a Ig, outro sentimento que não foi o amor que ela sentia. E outra coisa, desejo uma morte mais que dolorosa ao psicopata deste livro. Parabéns ao autor por ter me feito odiá-lo intensamento nos últimos capítulos e por ter me deixado tão confuso. Pois acabei julgando o personagem errado, e só no fim vi que eu estava errado.

SOBRE O AUTOR:

Joe Hill já ganhou diversos prêmios por seus contos, incluindo dois Bram Stoker, o mais importante da literatura de horror. É autor de A estrada da noite e O pacto e da coletânea de contos Fantasmas do século XX, todos publicados no Brasil pela Arqueiro. O pacto está sendo adaptado para o cinema e será protagonizado por Daniel Radcliffe. 

Pernambucano, blogueiro e bailarino nas horas vagas. Para ficar mais próximos dos livros, escolheu ser revisor textual. Instagram/Twitter: @Jadsongomees

7 Comentários
Comentários

7 comentários

Write comentários
5 de agosto de 2015 12:45 delete

Resenha maravilhosa *-* livro já entrou na minha "pequena" lista de leitura kk
Amei seu blog também :3
Dá uma passadinha no meu quando tiver tempo :)
leitoresdivergentes1.blogspot.com

Reply
avatar
Eliana Arruda
AUTHOR
10 de agosto de 2015 01:43 delete

Eu amo todos os livros do joe Hill adoro seu blog

Reply
avatar
Eliana Arruda
AUTHOR
10 de agosto de 2015 01:43 delete

Eu amo todos os livros do joe Hill adoro seu blog

Reply
avatar
Eliana Arruda
AUTHOR
10 de agosto de 2015 01:43 delete

Eu amo todos os livros do joe Hill adoro seu blog

Reply
avatar
1 de setembro de 2015 23:19 delete

eu quero muito!!! pags curtidas seguidora @mjovinavr https://www.facebook.com/PorreDeLivros/timeline?ref=page_internal https://www.facebook.com/Editora.Arqueiro https://www.facebook.com/mariajovina.vieirarocha/posts/763115273800600

Reply
avatar
mauro sanz
AUTHOR
2 de setembro de 2015 13:12 delete

QUEM NÃO TERIA CORAGEM DE UM DIA LIBERAR O DEMONIO EM SI, QUEM SE HABILITA.

Reply
avatar