[Devaneios] Leitura saudável x Leitura obsessiva

21:01 6 Comments A+ a-

Esses dias eu tive que reler um texto meu, Sobre a Leitura, de Marcel Proust e neste ele levanta uma questão que me cativou sobre a leitura: Quando a leitura vira uma obsessão?



A minha primeira base de pesquisa foi eu mesma, se Freud se autoanalisou como um neurótico, porque não podemos fazer o mesmo? Então, junto com minha tia que é psicóloga, Angela Oliveira, discuti sobre algumas fundamentações desse psicanalista para me embasar e tentar trazer algo legal para vocês, porém começaremos pela explicação do que se trata o livro Sobre a Leitura de Proust.

Quem aqui foi uma criança que amava ler? Pois é exatamente isso que se trata esse livro. Eu já havia citado essa obra anteriormente aqui numa matéria sobre incentivo a leitura, mas quando voltei a lê-la, me fixei neste ponto. Aqui Proust se dispõe a escrever sobre um menino tão obsessivo que acorda para ler e as vezes nem dorme, apenas para poder ler. Aí, vocês perguntam: mas Ray, e daí? Quantos
 de vocês, sejam sinceros, já passaram noites e noites colados em um livro porque não conseguia dormir? Pois é! Ruskin analisou esse texto de Proust e numerou várias críticas, sendo uma delas, sobre a obsessão da leitura.

Ruskin fala sobre um escape da realidade e que nem sempre pode ser saudável. Claro que, não estou afirmando que a leitura não é saudável, longe disso, pois como leitora ávida já passei várias noites acordada, porque não conseguia fechar o livro e me desprender daquela leitura. Porém, voltemos para Freud, que explica tudo isso como um mecanismo de fuga. Esse mecanismo de defesa de Freud pode variar de pessoa para pessoa, então as causas dessa obsessão apenas cada um sabe, e como bem entendemos sobre a psicanalise, a sua razão pode ser desconhecida até para o individuo, pois o seu consciente rejeita aquela hipótese a mandando aquelas informações para o inconsciente.

Não irei me aprofundar nas questões de Freud, mas quem quiser saber um pouco mais, indico que leiam os mecanismos de defesa. Então, para fechar esse devaneio, queria falar que é sempre legal rever nossas zonas de conforto, pois podem não ser apenas zonas de conforto. O tema é profundo e requer uma auto-avaliação muito grande, mas vale a pena!

Jornalista, taurina, viciada em livros, filmes, seriado e em conhecer novos lugares. Adora estudar inglês e acha que essa deveria ter sido sua língua mãe.

6 Comentários
Comentários

6 comentários

Write comentários
Rejane Freire
AUTHOR
6 de setembro de 2013 21:50 delete

Nossa, preocupante! Onde me encaixo?, rssss

Reply
avatar
7 de setembro de 2013 13:19 delete

Eu sou das que usam a leitura como fuga, confesso. Se eu pudesse vivia dentro deles, mas...

A vida é complicada e nem sempre a gente consegue lidar com ela do jeito que as pessoas querem ou julgam normal.

Bjs, @dnisin
www.seja-cult.com

Reply
avatar
Alessandra
AUTHOR
7 de setembro de 2013 17:02 delete

Já passei do limite do saudável faz tempo.... ;D

Reply
avatar
Alessandra
AUTHOR
7 de setembro de 2013 17:02 delete

Mas ow, já quero ler esse livro do Proust! Valeu a indicação!

Reply
avatar
nathy gouveia
AUTHOR
8 de setembro de 2013 18:19 delete

Nossa Ray
parabéns viu.....eu adorei essa matéria aqui!

Reply
avatar
15 de setembro de 2013 16:17 delete

Uma boa questão levantada Rayanna. Devemos saber dosar esse tempo e compreender o que está realmente por trás desse hábito tão bom e viciante. Adorei o devaneio e a menção a Freud. :) Abraços!

De Frente com os Livros

Reply
avatar