Adaptação| '50 tons de liberdade' ganha novo teaser


Vazou o novo teaser de 50 tons de liberdade, último livro da trilogia de 50 tons de cinzas. O lançamento do filme que encerrará a franquia está previsto para fevereiro de 2018.


Com mais de 500 milhões de dólares em bilheteria, 50 tons de cinzas conta a história da ingênua Anastasia Steele que tem um romance bastante sensual com o Grey, um bilionário. Abaixo, você pode conferir o teaser oficial liberado após a estreia de 50 tons mais escuros:


Resenha| Ligações, de Rainbow Rowell



Em Ligações, conheceremos a Georgie McCool. Ela é uma escritora de seriados de comédia, uma workaholic assumidíssima e mãe de 2 garotinhas. Além disso, ela também é uma daquelas pessoas que corre atrás dos seus sonhos e, mesmo que realizá-los, signifique ter paciência e esperar, desistir deles nunca é uma opção. Georgie é casada com Neal, e ambos sabem que o casamento não anda "muito bem das pernas". E isso fica evidente quando, de forma inesperada, Georgie recebe uma proposta irrecusável.

O grande problema é que para aceitar essa proposta, ela deixará de passar o Natal junto com sua família e, como já era esperado, o Neal ficou muito chateado  - ele sempre estava chateado com a Georgie, na realidade -, por isso ele resolve passar a festividade na casa de sua mãe e leva as suas filhas, deixando, assim, a Georgie sozinha e pensando que talvez seu casamento tenha acabado. Sem saber o que fazer e evitando a solidão, ela começa a passar seus dias, depois do trabalho, na casa de sua mãe e em um desses dias, ela encontra um telefone antigo e resolve usá-lo para ligar para Neal, seu ex/atual marido - ela não sabia ao certo. Ela consegue falar com Neal, mas com um Neal de 15 anos atrás, um cara que era o seu namorado. Será que as conversas, o contato com a pessoa que ela se apaixonou há 15 anos e as mudanças que serão percebidas com esse contato irão afetar o relacionamento deles no presente?

Esse livro é um romance com uma pitada de fantasia. E, para mim, esse é o diferencial do livro. Quando leio romances, sempre procuro algo que fuja desse mar de clichês que encontramos nas livrarias. Por isso, achei que o livro da Rainbow Rowell conseguisse isso. Talvez, ela tenha tentado trazer algo totalmente novo, mas, ao meu ver, não foi totalmente novo e nem superou minhas expectativas, mas preciso admitir que é um bom livro.

Pela premissa da história, acabei imaginando algo, mas o que encontrei foi uma personagem que em alguns momentos pensou em desistir de seus sonhos para agradar seu marido ou para dar um up no casamento, que já estava em crise. Foi preciso que o seu marido e as crianças viajassem para Georgie entender que o seu "trabalho" de mãe e esposa estava sendo deixado de lado sempre, inúmeras vezes, inclusive. E o Neal? Ele é um daqueles caras que não sabe o que quer fazer da vida e resolve ficar em casa, enquanto sua esposa trabalha. Achei isso bacana, mas pela escolha que fez, ele, no minimo, deveria entender que a Georgie precisava trabalhar naquela data do ano. Pelo fato de ela deixar sempre sua vida pessoal de lado, o leitor até tenta entender as atitudes de Neal, mas sumir e não atender ligações não é a melhor forma de resolver algo. Ele também poderia ter achado que a escolha de sua esposa tenha sido a gota d'água, mas ainda acho que tinha outras formas de demonstrar isso.

A pitada de fantasia é o que mantem o leitor até o fim da história. Os diálogos entre a Georgie e o Neal do passado são divertidos e espirituosos. E o que a autora conseguiu mostrar foi o seguinte: o Neal sempre - foca no sempre - arrumava um jeito de resolver as coisas, e a Georgie era um pouco acomodada. Também conseguimos ver o quanto um relacionamento muda no decorrer do tempo e o quanto é preciso sempre mostrar ao outro que você se importa e que está feliz com essa pessoa, independente da pressão do trabalho ou de sua própria pressão em ser uma boa mãe e esposa.

Ligações não ganhou 5 estrelas, mas me fez pensar muito que as coisas dão errado e querer mudar o passado ou pôr a culpa em alguém não vai resolver, para isso você precisará mudar o presente, o tempo em que vive e correr para não perder algo ou alguém. Apesar de qualquer coisa dita anteriormente, o livro da Rainbow Rowel é uma leitura que recomendo, pois é uma leitura divertida e com uma reflexão bem bacana.

Foto: Leitora encantada

Maratona literária| Vem conhecer 4 romances de época da MT


Essa maratona é para quem curte um bom romance de época. Nesse final de semana, começando no dia 24 ao dia 27 pela manhã, será o período em que lerei 4 livros, ou pelo menos tentarei ler. Logo, as resenhas estarão aqui. Para quem quiser participar, fica aí o vídeo. 


Resenha| Neuromancer, de William Gibson


Em Neuromancer, conheceremos o Case, um ex-cowboy (como são chamados os hackers em Neuromancer) que foi impossibilitado de exercer sua profissão, graças a um erro que cometeu ao tentar roubar seus patrões. Por isso, eles envenenaram Case com uma micotoxina que danificou seu sistema neural e o impossibilitou de se conectar com a Matrix. Antes disso, deixaram uma quantia de dinheiro com ele, pois "iria precisar dele".

Case, então, procura as clínicas clandestinas de medicina de Chiba City, onde gasta todo seu dinheiro com exames, sem conseguir encontrar uma cura. Drogado, sem dinheiro, desempregado, é nessa condição que Molly o encontra, e a trama se desenrola, buscando a cura para  Case.

Neuromancer é o primeiro livro da Trilogia do Sprawl. Publicado em 1984, a obra foi uma grande revolução na literatura de ficção cientifica, onde aborda as interações do ser humano com as máquinas em um futuro distópico e altamente marcado pela tecnologia, por vezes bem invasiva.

No começo da história, conhecemos um Case destruído e sem perspectiva de um futuro diferente do que está vivendo. Já que não pode mais conectar-se à Matrix, ele vive numa espécie de overdrive terminal, jogando um jogo perigoso a caminho da autodestruição. Dependente em adrenalina e em entorpecentes, Case começa a ficar paranoico achando que um associado dele quer matá-lo por um negócio não concluído. Porém, sua sorte mudou ao ser encontrado por Molly, uma samurai das ruas; ela propõe um negócio ambicioso e que pode devolver a ele o que mais deseja: conectar-se à matrix e fugir da realidade esmagadora. Contudo, obviamente, nada era de graça. Ele precisa fazer algo para ter o que deseja e o contratante era um homem de olhar misterioso chamado Armitage que não dava muitas informações sobre o trabalho que eles teriam que fazer. Outro personagem que aparece é a inteligencia artificial que descobrimos ter um papel muito importante na missão.

Os personagens são bem construidos completamente complexos e cada um apresenta um passado conturbado e cheio de impressões. Apesar de Case ser o personagem principal, o que eu mais gostei foi de Molly. Ela surpreende com o passar da história e, após contar sobre o seu passado, nós passamos a enxergá-la de uma forma totalmente diferente da que nos foi apresentada no começo do livro.

A leitura torna-se complexa devido aos termos de informática e os jargões da matrix, fazendo assim com que fique um pouco cansativa. Não é uma leitura que você deve fazer sem analisar com cuidado cada página e cada trecho no qual Case entra no ciberespaço. É uma leitura que não é simples, mas todo o esforço é compensado, pois ela fará com que você enxergue o mundo com outros olhos. Para os amantes de ficção cientifica, vai ser impossível não fazer o link entre a obra e o filme Matrix, dos irmão Wachowski, lembrando que o filme veio beeeem depois e que é provável que os pensadores de Neo tenham se inspirado na obra de Gibson. Se por um acaso você chegar no meio do livro e achar que não vai conseguir concluir (o que aconteceu no meu caso), só digo uma coisa: NÃO PARE!

Adaptação| 'Tudo e todas as coisas' ganha pôster nacional


A Warner Bros. Pictures divulga as primeiras artes de "Tudo e todas as coisas", drama romântico baseado no best-seller escrito por Nicola Yoon. As imagens destacam o casal protagonista, interpretado por Amandla Stenberg (“Jogos Vorazes”) e Nick Robinson (“Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros”). E se você não pudesse tocar absolutamente em nada do mundo? E se não pudesse respirar ar fresco, sentir o sol quente em seu rosto… ou beijar seu vizinho? 

“Tudo e Todas as Coisas” narra a improvável história de amor de Maddy, uma garota de 18 anos, inteligente, curiosa e cheia de imaginação, vítima de uma doença raríssima que a impede de abandonar a proteção do ambiente hermeticamente fechado no qual vive dentro de sua casa, e Olly, o vizinho da casa ao lado que não está disposto a deixar que a condição de Maddy os afaste um do outro. Maddy está desesperada para experimentar o desejado e estimulante mundo além das paredes de seu quarto – e a promessa de seu primeiro amor. Os olhares trocados apenas pelo vidro das janelas e as conversas por textos criaram um profundo laço entre Maddy e Olly, que os leva a arriscar tudo para ficarem juntos… ainda que eles possam perder absolutamente tudo. 

O longa é estrelado por Amandla Stenberg (“Jogos Vorazes”), como Maddy, e Nick Robinson (“Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros”), como Olly. Também estão no elenco Ana de la Reguera (“Sun Belt Express”) e Anika Noni Rose (“Dreamgirls: Em Busca de um Sonho”).

Tudo e Todas as Coisas” está previsto para ser lançado no Brasil em 15 de junho, com distribuição internacional da Warner Bros. Pictures. Lembrando que o lançamento do filme fora do Brasil é em maio. Abaixo, deixo o trailer legendado do longa:


CLIQUE AQUI e leia a resenha do livro