Resenha| A rainha vermelha, de Victoria Aveyard

O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos, isso significa que eles são plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Ela rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso, mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho? Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe, e Mare contra seu próprio coração.

Back Mirror vai virar série de livros


A série antológica, originalmente produzida pelo Channel 4 e adquirida pela Netflix a partir da terceira temporada, vai virar livro. A editora britânica Penguin Random House anunciou nesta terça-feira que está trabalhando em uma série literária original em três volumes inspirada pela série.

Resenha| Terezinha, de Josué Souza

Hoo Editora | Classificação: 4/5 | Ofertas |
Composto por 17 contos, o livro Terezinha apresenta um pouco do universo LGBTQ+ e de outras pessoas que não se identificam com a forma habitual da dicotomia de gênero. Queer é uma palavra inglesa, sem um sinônimo claro em português, mas que indica pessoas que fogem do padrão preestabelecido, da norma regimental da sexualidade ou da identidade de gênero.

Resenha| Princesa de papel, de Erin Watt

Editora Planeta de Livros | Classificação: 4/5 | Ofertas
Ella Harper rebola muito para viver, literalmente. Stripper desde os 15 anos de idade, Ella lutou para pagar as contas médicas de sua mãe enquanto ela sofria com um câncer de mama, e logo após a morte da sua mãe, tentou se sustentar para que o serviço social não a levasse para alguma casa de adoção. Porém, o que ela não esperava era a chegada de um homem misterioso afirmando ser seu tutor legal e obrigando-a a ir embora com ele para viver em seu palácio. Tudo que Callum fala para Ella soa perigoso e nada dentro da sua zona de conforto e a garota entende que seu sexto sentido estava certo, pois tudo que a família Royal é não a agrada em nada. Porém, a proposta de 10 mil por mês somente para Ella ficar na casa, fica cada vez mais fácil de ser aceita, principalmente quando o problemático Reed se torna cada vez mais irresistível.

Porre de filmes| Romântico e leve. É isso que veremos em 'Tudo e todas as coisas'


Madeline (Amandla Stenberg, de “Jogos Vorazes”) é uma garota normal... Só não está liberada para sair de sua casa. (Como se viver presa dentro de casa fosse considerado algo normal). Devido a uma doença muito rara que se desenvolveu durante sua infância, ela é proibida de deixar o conforto de seu lar, que é desinfetado a cada 2 horas. Tudo o que ela conhece do mundo é através da janela de seu quarto, e é através dessa pequena janela que ela conhece a família vizinha, recém-chegada na vizinhança. Com sua vida regrada e cheia de checagem de sinais vitais ao longo do dia, a nova família traz à jovem Mads um novo passa-tempo: observar o rebelde Olly (Nick Robinson, de “Jurassic World”). Porém, quando eles começam a ter contato e a amizade se torna algo mais, Mads e Olly são barrados pela rara doença que afeta a garota. Eles veem-se num beco sem saída, onde o amor que eles sentem, talvez, nunca possa ser vivido.